CHAPADA DIAMANTINA - O MAIS BELO DOS BELOS

 

Simples assim: a Chapada Diamantina é um dos lugares mais lindos do mundo. Eu, particularmente tenho uma história nesse lugar: foi minha primeira viagem sozinha, foi meu presente de 30 anos, foi onde deixei minha timidez de lado.

 

Feriadão de 12 de Outubro de 2011. Aproveitei dois dias que ainda tinha para tirar das férias do ano passado e promoção da Gol para retornar à Chapada, depois de cinco anos. Agora, em companhia do meu filhote, já um pré rapaz!  Nessa minha quinta visita, em uma época diferente das visitas anteriores, a primavera deu lugar aos verões chuvosos e a paisagem encontrava-se mais seca e as cachoeiras mais minguadas. A cidade de Lençóis menos movimentada e os turistas estrangeiros em menor quantidade.

 

Os quatro dias passaram voando... Chegamos em Salvador na sexta à noite e o atraso da Gol quase nos fez perder o ônibus para Lençois que saiu às 23:30. Logo após Feira de Santana, um acidente horroroso na estrada nos fez parar por quase duas horas até que limpassem a estrada. Dois caminhões colidiram frontalmente, os dois motoristas morreram na hora e o óleo diesel se espalhou. Com isso, chegamos ao destino às 7:30 ao invés de 5:30. A idéia inicial era chegar cedo pra tirar um soninho antes de sair em busca de um roteiro para o sábado. Como dormimos mal no busão, mudamos os planos: dormimos até às 10 e saímos a cata de um café da manhã. A maioria das lojas estava fechada, até que encontramos a Dona Joaninha, que aplacou nossa fome com um gostoso café preto e queijo quente.

 

Seguimos por conta própria para o Serrano. O rio estava tão seco, que subimos pela trilha, mas descemos pelo próprio rio. Tiramos o resto do dia pra bater perna pela cidade, inclusive pra visitar o pessoal que eu não via há cinco anos. Almoçamos no Grisante, contratamos os passeios para os dias seguintes e ficamos vendo o dia passar.

 

Domingo - 09/10: Roteiro I - Poço do Diabo, Lapa Doce, Pratinha e Pôr do Sol no Pai Inácio

 

Fechamos os roteiros com a Cirtur indicada pela amiga Graça. Saímos numa doblô com o Nelson no volante, o Kei, japonês que veio ao Brasil para aprender o português por um ano - já matriculado na UFBA (duvido que retorne ao Japão), dois loirinhos alemães (que pareciam um casal), eu e meu filhote. Bruno colou com o japonês e ensinou um monte de besteiras brasileiras... A primeira parada foi na estrada para mirar de baixo e fotografar tanto o Morro do Pai Inácio quanto o Morro do Camelo. Seguimos para o Rio Mucugezinho, onde fizemos a trilha de 900 metros com direito a tchibum no Poço do Diabo.

 

Atravessar o poço a nada me trouxe excelentes recordações: em 2003 não pude atravessar porque não sabia nadar. Ao retornar ao Rio, me matriculei em uma escola de natação e em 2004 ao voltar pela segunda vez à Chapada, consegui nadar naquele imenso copo de coca-cola.

 

Segunda parada: Gruta da Lapa Doce. Foi o local que o Bruno mais gostou. Fica localizada no município de Iraquara. Dos 22 km mapeados, apenas 850 metros são abertos à visitação. Sua dolina (depressão externa formada pela dissolução ou desmoronamento de material calcário) surpreende pela grandiosidade --72 metros de altura. Seu maior salão não fica atrás: tem 60 metros de largura.  Ampla, arejada e quase toda plana, a Lapa Doce diferencia-se da maioria das cavernas da região. De seus três salões, só um pode ser visitado.

De suas formações destacam-se os lagos de travertinos, as cortinas, as asas de anjo e o lustre. Há uma escultura que dá asas à imaginação: eu vi um pênis (tarada?!... rsrsrsrs).

 

Sete quilômetros adiante chega-se à Fazenda da Pratinha, onde ficam as grutas Pratinha e Azul. Uma pena qeu virou um local meio comercial, mas ainda assim o mergulho na caverna por ser mais caro, fica mais seletivo e vale a pena.Com a mesma água transparente e azul dos poços Encantado e Azul, o lago da gruta Azul fica escondido sob as raízes aéreas de uma árvore da fazenda e tem comunicação com a Pratinha. Para chegar até ela há uma pequena, mas íngreme descida. Uma das curiosidades dessa lagoa são os microbúzios, ou o que o restou deles. Parte dessas minúsculas conchinhas que forram o leito do rio foi pisoteada e destruída. As plantas aquáticas, antes abundantes no rio Pratinha, também sofreram interferência humana. Atualmente, o rio mais parece uma piscina. 

 

Para fechar o dia com chave de ouro, subimos o Morro do Pai Inácio para o pôr do sol, com direiro a presença da lua no mesmo cenário. Em todas as minhas viagens à Chapada, o Pai Inácio fez parte do roteiro, mas dessa the sunset fez toda diferença!

 

Ao retornar a Lençois, paramos na Casa de Massas Maria Bonita, onde comi a melhor bruschetta da minha vida!!!

 

Segunda - 10/10: Poço Encantado e Poço Azul

O grupo estava mais extenso hoje: uma israelense que falava espanhol fluentemente, os dois irmãos de Niterói que estavam no nosso busão Salvador-Lençois, duas baianas divertidíssimas, novamente o Kei, eu e Bruno, nosso guia Nelson e o "moto". Primeira parada no Poço Encantado, dessa vez mais fácil de descer, pois melhoraram a condição dos degraus da gruta. Continuo louca pra mergulhar nesse poço, mas é proibido... 

 

Seguimos em direção ao Poço Azul. A paisagem mais uma vez estava muito diferente... muito seca. O rio que atravessávamos na plataforma abaixo, foi atravessado à pé.

 

A estrutura do Poço Azul também melhorou bastante, sem afetar em nada o mergulho MARAVILHOSO... Acho que o feijão mulatinho com pimenta do restaurante estava enfeitiçado, pois bati um pratão sem nem me preocupar em contar os pontos...

 

O retorno a Lençois foi calmo e tranquilo e optamos por descansar para o dia seguinte, pois sabíamos que a trilha de 14Km seria punk.

 

Dia 11/10 - Cachoeira do Sossego

Eu poderia jurar que não aguentaria a trilha de 7Km de ida e 7Km da volta. Mas valeu cada centímetro percorrido, pois a sensação de paz ao chegar é inigualável. Eu perdi a voz. Agradeci à Deus pela oportunidade de estar tão proxima da prova de Sua criação. Essa cachoeira era inédita, pois nas quatro visitas anteriores eu sempre "arregava". A trilha é pesadérrima, pois grande parte é sobre as pedras (escaladas e agachamentos). Imagina uma aula de musculação de 6 horas...

 

É claro que ao chegar a Lençois, tudo que eu queria era comer algo mais consistente. Cheguei me arrastando no Gristante, pedi uma cerveja super gelada e encarei uma carne de sol, Sonia me acompanhou enquanto a garotada foi atacar um açai na rua vizinha. Excelente dia... 

 

 

Dia 12/10 - Lençois x Salvador

Retornamos no primeiro busão para Salvador, direto pra o Aeroporto rumo ao Rio, afinal no dia 13 o trampo me aguardava ansiosamente (eu nem tanto)...


Não acredito em me despedir da Chapada e ainda desejo que minhas cinzas sejam espalhadas do alto do Pai Inácio. Só que agora, com mais um detalhe: no pôr do sol.

 

 

Points visitados nos anos anteriores. Todos valem a visita!!!

 

Cachoeira da Fumaça por cima e Riachinho 

O ponto de partida está nas proximidades do Vale do Capão. A primeira parte da caminhada, é uma subida de 1 hora até a conquista do altiplano, que chama-se Gerais da Fumaça. Essa subida é punk, pois o terreno é muito íngreme e cheia de desníveis. São 12 Km de trilha, contando a ida e volta. Fiz essa trilha duas vezes, hoje tenho minhas dúvidas se conseguiria uma terceira.

 

Mucugê  c/ Cemitério Bizantino, Projeto sempre-viva, Cachoeira do Tiburtino e Xique-Xique do Igatu - é um roteiro alternativo para conhecer um pouco mais da Chapada fora do circuito de Lençois.

 

Caverna da Torrinha -  Fica no município de Iraquara e contém os mais raros espeleotemas do Brasil, sendo considerada a caverna mais completa do país. O Salão Branco, o Salão das Agulhas e o Salão das Flores são impressionantes.

 

Marimbus (mini pantanal) , Rio Roncador - Boa opção para um dia de descanso entre os dias pesados de trilha. 

 

Cachoeira do Buracão - Uma das minhas preferidas. Fica no município de Ibicoara, distante 220Km de Lençois. Andar no meio do canion até a cachoeira, pular na cachoeira e deixar o corpo boiar de volta pelo mesmo canion, não tem preço!

 

Serrano, Salão de areia, Cachoeirinha e Cachoeira da Primavera - 3 Km de trilha, no entorno de Lençois. Boa opção para o dia de chegada.